sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Flores de Verde Pinho





Oh meu jardim de saudades,
verde catedral marinha,
e cuja reza caminha
pelas reboantes naves…
Ai flores do verde pinho,
dizei que novas sabedes
da minha alma, cujas sedes
a perderam no caminho?
Revejo-te e venho exangue,
acolhe-me com piedade,
longo jardim da saudade
que me puseste no sangue.
Ai flores do verde ramo,
dizei que novas sabedes
da minha alma, cujas sedes
a alongaram do que eu amo?
-A tua alma em mim existe
e anda no aroma das flores,
que te falam dos amores
de tudo o que é lindo e triste.
A tua alma, com carinho,
eu guardo-a e deito-a a cantar
das flores do verde pinho
àquelas ondas do mar.
            Afonso Lopes Vieira

Sem comentários:

Publicar um comentário